30 de setembro de 2011

Hoje



Hoje depois do serviço, vou andar sem rumo, me acabar num cascão no shopping, cobiçar uns livros caros, observar como os carros parecem brinquedos lá na avenida. Decidir se vou viajar.

Hoje só mais uma vez eu vou desejar aquela nostalgia. De esperar meu pai depois da aula e, o alivio de quando ele chegava e eu não ficava sozinha. De ver minha poodle, antes de ser sacrificada, todos os dias me aguardar com o pescoço pra fora do portão. Da minha mãe me abraçar e perguntar como foi meu dia. Das brigas com a minha irmã...

Hoje eu irei chegar quando todos tiverem dormindo. Apenas a luz da frente estará ligada. Eu tenho a chave do portão. Os dois cachorros vão surgir no corredor, com aquelas orelhinhas que quase tocam o chão. 

Giro a maçaneta e estou dentro de um lugar que não posso chamar de "minha...", ouço os ventiladores e as respirações. Abro a geladeira, sem pegar nada. Bebo um copo de água. Ilumino os cômodos com meu celular, andando nas pontas dos pés. "Você quase nem fica aqui,  não é Vih? Parece até um fantasminha" - fico recordando o que uma tia me disse. Tenho de ser invisível. Tenho que não incomodar. Aqui não é a minha casa. Aqui não é o meu lar. 

Não adianta agora mãe, querer ir lá brigar, por causa de algumas coisas que ouviu ao meu respeito. Eu cresci. Nestes oito anos desde que a senhora foi embora de casa, escutei e precisei de defesa, porém estava trabalhando demais para me ajudar.

Pai, eu sei, não é justo te culpar mas, porque me deixou sair de casa? Porque não me pediu pra ficar? Tentaríamos outra solução, arranjaríamos outro lugar. Eu não precisaria passar por isso, eu poderia te perdoar.

28 comentários:

  1. uaal, que história a sua então hein?!
    a única força que ainda tenho é
    pensando na minha familia e meu namorado
    acho que sozinha não iria conseguir nada.

    ResponderExcluir
  2. Os adultos vivem dizendo que a adolescência é um dos perídos mais
    marcantes da vida. Mais o que o adolescente pensa disso?
    (sinopse do meu blog)
    Acessa o meu blog?
    "Blog de uma adolescente"

    http://blogdeumagarotaadolescente.blogspot.com/

    Espero a sua visita, se gostar do meu blog segue lá,
    ficarei muito feliz. Desde já obrigada;
    tenha uma ótima semana, beijos.

    ResponderExcluir
  3. Nossa que história.
    espero que você fique bem..

    Bjo

    ResponderExcluir
  4. Sei como é ser separada de sua família

    Espero que as coisas melhorem pra vc ~,~

    ResponderExcluir
  5. Será que ainda não há tempo de conversar com ele, consertar isso?

    =\

    ResponderExcluir
  6. Oi!

    Sinto muito pelo jeito q as coisas aconteceram.

    Mas como vc mesma disse ,vc cresceu.Não só fisicamente mas é esperado q psicológicamente esteja mais madura.

    Nem adianta culpar os pais,os filhos crescem e não são a continuação deles,mas a continuação da vida!

    Beijos ^^

    ResponderExcluir
  7. LINDA!
    Isso acontece em nossa vida pra nos ajudar a crescer mais e nos tornamos mais fortes, e vc sabe disso. A nostalgia é normal, mas o importante é sabermos diferencia-las da realidade.
    Beijos, bom fds!
    Passa lá no meu blog, mudei o endereço, é outro na verdade.
    http://diariosuzanye.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. E eu amei o teu comentário :)
    Obrigada!
    Love, Bruna

    ResponderExcluir
  9. Nossa adorei o texto, você escreve tão bem e expressa de um jeito onde a gente acaba se envolvendo. As vezes é difícil o que se passa, as vezes não entendemos, mas sempre, em nossa defesa ou pra achar que não é tão nossa culpa, falamos que é pra melhor. As vezes acaba sendo mesmo.

    ResponderExcluir
  10. Enquanto isso, o que eu mais ouço do meu pai é "Dim, aproveite que você é das artes e que aprendeu desde pequena a demonstrar o que não sente, e sorria. Sorria porque os outros não têm pra que saber da sua tristeza, sorria porque isso vai fazer você se sentir melhor, e sorria porque ser bailarina não é fácil... tem que lutar... você tem que lutar."

    Aqui estou eu papai, e estou lutando...

    ResponderExcluir
  11. Que texto mais lindo... Digo lindo, porque sei a dor que se esconde nestas entrelinhas. Não que a dor seja bonita, mas ao ler como escreves sobre ela, eu percebo o quão forte você é.
    Tenha calama, logo isso passa e tempos melhores virão!
    Agora aproveita as oportunidades para deixar o orgulho de lado e falar/fazer o que o teu coração mandar!! E não é propaganda do meu blog (siga o seu coração. rs) isso é serio!

    Beijos, flor.
    Se cuida!

    ResponderExcluir
  12. E espera o sorvete derreter pra dizer que está mole?

    ResponderExcluir
  13. Lamentavelmente meu esposo lu umpost que eu escrevi em um momento de furia e com a cabeca cheia de rivotril. Devo ter dormido no computador e ele foim lá e leu. Era sobre ele. Pensei em acabar com o blog, e acabei. Mas fiz outro,mais anonimo do que nunca. Depois falo mais. Ainda estou juntando os pedacos do meu antigo blog e os meus tambem. Essa mensagem vai ser automatica pras amigas que eu for recuperando. Depois falo mais. Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Ser invisível não vai resolver nada
    olho no olho, diálogo, coração aberto, sinceridade, saber ouvir, se colocar no lugar do outro...são tantas fórmulas para relação pais e filhos darem certo.
    Saiba que eles também tem medo, muitas das vezes não sabem o que fazer ou dizer. Não crie expectativas querendo que eles adivinhem o que você pensa e sente apenas DIGA.
    Tenho uma filha de 15 anos e sei o que digo.
    Quando se tem amor o diálogo flui e a cumplicidade amadurece.

    beeeeijo minha menina...se cuida

    ResponderExcluir
  15. Noooossa que histoia. Voce é uma otima escritora de verdade! beijo

    ResponderExcluir
  16. Meu bem, voe e encontre um lugar somente seu, de verdade.

    ResponderExcluir
  17. querida voce sabe que mais problematica que eu ta pra existe neh
    mais vai com calma que tudo se ajeita
    beijos

    ResponderExcluir
  18. Diálogo é uma coisa tão essencial para colocar as coisas no lugar. É uma pena que nos afundamos em orgulhos bestas, às vezes, e deixamos o coração lá sussurrando e te empurrando para fazer o que é certo, mas somos turrões demais para aceitarmos ou reconhecermos que podemos passar por cima de certas coisas,e então corrigir tudo. Porque na vida há correção para tudo. Mas não basta querer, é preciso fazer. E às vezes as pessoas não fazem, e esperamos em vão... Às vezes isto é triste, mas precisamos seguir a vida. Quem sabe ela nos coloca nos trilhos. Um dia...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. "...depois do serviço, vou andar sem rumo..." Fiz isso algumas vezes ultimamente e entendo como se sente - lindo e profundo como você fala da sua vida, adoro passear por estas páginas!
    Sou divorciado e sei o que é essa tempestade de rupturas. Com certeza seu pai a ama e perdoar pode ser bem mais fácil com o tempo.
    Tenha um lindo fim de semana!

    ResponderExcluir
  20. Que ótima sua postagem! Adorei. Eu também quero essa nostalgia mais uma vez!
    Ah, estou seguindo seu blog, já favoritei! Tenho um blog também, é www.atmosferateen.blogspot.com
    Lindo seu blog!
    Adoraria sua presença por lá, se cuida! :)

    ResponderExcluir
  21. Querida vc saiu de casa? E como vc ficará? Fiquei preocupada e muito triste! Não sei o que falar neste momento, mas se eu morasse perto de ti, te ajudaria. Mesmo distante, conta coomigo!

    ResponderExcluir
  22. flor espero que tudo dê certo,as coisas são dificeis mais vão se acertar, voltei viu, senti saudade dos seus textos,beijo

    ResponderExcluir
  23. puxa Vhi, que barra, sair de casa deve ser bem complicado, ,mas já faz um emtpo né?! espero que vc melhore, bjoo :*

    ResponderExcluir
  24. puxa, que historia triste.
    sinto muito!!!

    ResponderExcluir
  25. Tem coisas que acontecem pra fazer-nos mais fortes. Acredite.

    (*=

    ResponderExcluir
  26. Parece até um filme...tinha me esquecido de como era gostoso estar aqui no teu blog.
    Amore eu vou estar pondo um xat no final da página do meu blog, que é mais facil pra nos reunirmos e pans, então qdo puder passa lá.
    Beijos e fica com Deus.

    ResponderExcluir