20 de agosto de 2012

Aposta perdida

Não lembro qual foi a última vez em que meus pais compraram-me roupas. Antes de repassarem qualquer valor em dinheiro a mim ou a minha irmã, eles sempre avaliavam o que tínhamos feito para merecer. Se eu queria aquela caixa “enorme” de giz de cera da lojinha – na época para mim a 8ª maravilha da terra – precisava lavar a louça (areando bem as panelas), limpar o fogão, varrer a casa, dobrar os cobertores que para o meu tamanho parecia mais a montagem de um origami gigante e recolher a roupa do varal. Depois aos doze anos, eu os acompanhava vendendo peças de artesanato de porta a porta. 

Certa vez, a filha de uma conhecida deu luz a gêmeos. Fui trabalhar na sua casa na condição de ser apenas babá dos recém-nascidos, mas no final do dia, saí de lá como diarista. Contei isso para minha mãe e ela nunca mais deixou retornar a essa casa, disse que filha nenhuma sua, trabalharia como empregada doméstica na vida enquanto poderia estudar. A melhor coisa de ter o meu próprio dinheiro era não precisar pedir para o meu pai, porque me frustrava o fato dele na maioria das vezes não ter para me dar, quando eu necessitava de itens básicos da higiene feminina. 

Durante o tempo em que estive na faculdade, não consegui trabalhar, pois o meu curso era no período matutino e não aparecia nenhum emprego que preenchesse esse quesito. Apesar de ser bolsista, sobravam outros gastos que eu queria ser capaz de arcar. Mas não fui. O bico do final de semana num cyber como atendente só pagava o passe da semana enquanto não chegava a carteirinha de estudante. Então foi ficando cada vez mais difícil, até que saí. Havia dias em que eu chegava tarde e a mistura do almoço tinha acabado. Poderia ter persistido, mas sem ajuda não dava para continuar.

 Quando foi exatamente que deixei de pedir ajuda e me tornei esta ilha cercada de orgulho? Eu não sei, mas no último sábado, enquanto a mãe dele e a minha cunhada se propunham a comprar para mim roupas no shopping, percebi como pode ser monstruoso isso. Por que eu neguei, fiz cara de poucos amigos, disse que não precisava, porém elas insistiram. Não conseguia deixar de me sentir ofendida. No outro dia lhe pedi desculpas, pois o sentimento de ingratidão me corroeu. Talvez eu seja uma aposta perdida. Certamente que no lugar dela, pensaria se eu sou realmente a melhor escolha para seu filho.

13 comentários:

  1. Ow flor, tenho certezas de que é sim a melhor para ele, sei como é criar e gostar da própria independência , tenho 15 anos e odeio ter que depender dos meus pais pra alguma coisa, principalmente financeiramente, por isso resolvi começar a trabalha a também ajudar um pouco em casa,e o ato de pedir desculpas só demonstra que não éis tão orgulhosa quanto pensas, beijos e força!

    ResponderExcluir
  2. Onw flor, não tenhas duvida de que és a melhor pra ele, se ele escolheu pode ter certeza. Eu tbm não gosto de depender dos outros, e sou cercada por uma muralha de orgulho, também me sinto muito frustrada ao pedir alguma coisa pra alguém e a pessoa te negar, não por não querer, mas sim por não ter condições. O seu ato de pedir desculpa mostra o quanto e nobre. Beijos e Força!!!

    ResponderExcluir
  3. Esses posts são contos? Pensei que fossem reais.

    ResponderExcluir
  4. Vih, acho que toda menina já passou por isso na vida. Pedir o básico e ouvir um não como resposta!
    Acho que a vida endurece tanto a gente que no final, não conseguimos entender que é só cuidado e carinho, o "dar" de uma pessoa que nos ama!
    Fica bem, flor.... Você é a melhor das escolhas... Você tem um grande e bonito coração. Eis o valor de uma pessoa.

    Cheirinho

    ResponderExcluir
  5. Oi querida nada esta perdido as vezes temos que engolir o orgulho e deixar as pessoas que nos amam nos ajudar elas só queriam te agradar, mas vc foi especial e entendeu isso e se desculpou, você ta ganhando sim uma nova família que te quer e te aceita como e, aos poucos vai conseguir realizar todos os seus sonhos.Bjss

    ResponderExcluir
  6. Me vi nos trechos onde a grana para se manter durante a faculdade foi acabando... até lembrei do comentário que tu me deixou no começo desse ano 'não faça a besteira que eu fiz'... mas eu fiz. sei lá.

    ResponderExcluir
  7. Meus amores , estou de volta
    muita força
    bjos.

    ResponderExcluir
  8. Que chato isso...eu tb sou bolsista,e não gosto de pedir dinheiro pra minha mãe,mas as vezes nao tenho outra escolha.
    Tenha força ai amiga,sei lá o que dizer,mas espero que tenha força.
    beijos e força

    ResponderExcluir
  9. Alguns trechos em vi minha vida também.... mas assim como disse algumas meninas, quase toda nós, já passamos por isso!
    É lamentável... mas é a realidade de muitas!

    Conto?! Tem gente que chega agora e não sabe... o que é sua vida Vih.
    Poderia pelo menos ler mais seu blog!

    Falei pq fiquei chateada por vc! Sei..sei que não tem nada com isso, mas falei!!

    Florzinha... espero que esteja melhor!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Eu também sou orgulhosa, queria deixar de ser. É difícil :/
    Só não entendi uma coisa, você largou a faculdade ou o trabalho?
    Meu namorado é exatamente como o seu, eu nego ao máximo, mas acabo sedendo. É uma sensação de humilhação, não deveria ocorrer isso. Mas eu sou tão orgulhosa que fico deprimida quando alguém me ajuda. Eu amo meu namorado, as vezes, penso em larga-lo pq sou paupérrima demais. Mas, deixar uma pessoa boa para outras pisotearem? Ahhh não, também sei ser ciumenta. HAHAHAHAHA
    Seguindo você, me segue? >.<
    Beijin

    ResponderExcluir
  11. Também já passei por isso Vihh, sei como é difícil depender dos outros. Graças a Deus, consegui minha independência com muita luta.

    Bjs, que o Senhor te fortaleça!

    ResponderExcluir
  12. És com certeza a melhor escolha como filha. Se não fosse, se não tivesse esse valor, não seria tratada assim. És importante.

    ;)

    Beijo!

    ResponderExcluir
  13. mas é sempre assim... quando mais precisamos de algo e não podemos ou não queremos comprar, o nosso orgulho vem a tona e nos fecha em nossa 'bolha'. quem ousa entrar é afastado e quem entra sem permissão é tratado mal. Eu ja me senti assim algumas vezes e sei como é. Quantas vezes eu me senti mal quando os pais do meu namorado pagam a conta do restaurante e não aceitam que eu pague a minha parte... Mas é uma nova família e eles querem te fazer bem. Tem coisas que realmente é chato aceitar, mas dependendo da situação financeira da família e da sua necessidade pelas roupas, talvez não haja problemas em aceitar. Só em elas te oferecerem é sinal que elas querem se aproximar ou na verdade, TE aproximar... Seja mais tolerante e deixa as pessoas entrarem mais na sua bolha. E nada impede de você retribuí-las também... ^^

    ResponderExcluir