11 de setembro de 2012

Contém um drama



Eu sei, eu preciso parar com isso. Mas, se você tivesse prestado atenção no meu rótulo, saberia que na minha composição, o maior componente da fórmula é a depressão. Tenho uma mala enorme, sem alça, sem rodinhas, uma bagagem inteira de sentimentos de estimação estragados, os quais eu arrasto junto de mim para aonde quer que eu vá. Tentei adverti-lo de que eu sou a mesma estação fria e chuvosa quase o ano inteiro. Nunca Raramente faz sol por aqui.

Isso não vai me levar a lugar nenhum. Você quer me dizer com este suspiro cansado. Talvez eu já não seja mais um desafio, igual a estes teus jogos de vídeo game comprados para aumentar sua coleção nas prateleiras do teu quarto. Você cansou de “morrer” no mesmo lugar. Enquanto seu corpo fica suspenso entre continuar ou não na batalha. O medo vai perfurando um poço no meu coração.  Quando foi que nos chocamos contra um iceberg?

Não quero perdê-lo.

Não quero perdê-lo.

Não quero perdê-lo.

Penso se isso não é um pesadelo, algo errado, mais errado do que um arco-íris de cabeça para baixo. Uma brincadeira de mau gosto. O sofrimento me reduz a uma poça de tinta vermelha no chão. Prendo Agarro contra o peito todos os seus sorrisos. Sinto-me como se estivesse lutando para engolir um parafuso. O mundo tornou-se seco seco seco demais, blocos de cimento se formam na minha garganta, fecharam-me dentro de um saco de compras e me pediram ainda assim para respirar.

Mastigo e engulo o mais rápido possível o que o vento ainda não conseguiu levar da sua lembrança. Sou uma garota problema, você não deveria gostar de mim. O “não” que eu lhe dei quando quis me vender à rifa na primeira vez que te vi, foi um “não” de: Não sou o que aparento ser. Não se aproxime de mim. Não goste de mim. Sou um monstro. Seus lábios me dizem “estou chateado”. Então tenho uma combustão instantânea e o meu coração vira cinzas. Quantas facadas palavras são suficientes para matar alguém?

Ainda que eu não consiga mais sintonizar a sua imagem na minha frente e na minha mente ela não passe dum canal preto e branco. Recordarei seus olhos deliciosos, observá-los era como estar diante duma fonte de mil possibilidades sabor chocolate ao leite. Com uns cílios grandes e bonitos, parecendo um par de asas de anjo, levando-me ao pecado de desejar voar e beijar ao mesmo tempo. 

4 comentários:

  1. "Tentei adverti-lo de que eu sou a mesma estação fria e chuvosa quase o ano inteiro..."
    Não tem como ser mais completas as suas palavras, o seu modo de descrever sentimentos cotidianos... É sempre muito bom vir aqui.

    Tenha uma ótima semana, flor
    =)

    ResponderExcluir
  2. As partes rabiscadas deram um toque especial ao teu texto. Ai ai... Sempre muito bons os teus escritos.

    ResponderExcluir
  3. Oi Hanna!
    Nossa que blog delicioso... tão lindo, aconchegante e inspirador! Excelentes textos.
    Resolvi voltar a ser ativa na blogosfera e que grata surpresa foi, de cara, encontrar um blog assim tão bacana.
    Virei freguesa. Principalmente porque, nesse texto, você parece estar falando basicamente de mim.
    Boa semana pra vc!
    E aparece lá no meu canto!
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que lindo seus textos... Estou adorando!
    Me vi em suas palavras... obrigada!
    Estou te seguindo :)
    bjs! e força..

    ResponderExcluir