1 de outubro de 2012

Uma tristeza passiva.



"Eu não entendo nada de amor, sabe? Mas alguém disse por aí que talvez ele possa acabar do mesmo jeito que começa: sem a gente perceber direito, com o vento, o tempo e todos os clichês invisíveis e bonitos da vida passando embaixo do nosso nariz. Duvido."
- Lucas Simões

Eu estava louca de vontade de entrar naquele ônibus de viagem, me enterrar em qualquer um daqueles bancos reclináveis e chorar durante as duas horas seguidas na qual teria de permanecer ali até chegar em casa. Porem, antes de partir, avistei minha mãe acenando exageradamente com uma tristeza risonha, do tipo que acompanha os lábios numa curvatura que muitos ousam chamar de sorriso. Então eu lembrei que agora ela ficará sozinha naquela cidade - minha irmãzinha chorava sentada no seu carrinho -, pois, meu padrasto fora embora para uma fazenda a trabalho.

A dor era um cubo de gelo derretendo devagarzinho sobre a minha língua. Os motores roncaram. Lentamente o motorista manobrou o veiculo para sair do pátio da pequena e vazia rodoviária. Senti a tristeza tão sólida que eu poderia mastigar e engoli-la se quisesse. As lágrimas começaram uma avalanche no meu rosto. Queria ter pegado o celular no bolso e ter discado o número dele, conforme o combinado. Pedi perdão a Deus pelas escolhas erradas, afinal, no fundo eu sabia que tudo se dissolveria naquele abraço, que a sua risada apagaria da minha memória todas as frustrações passadas.

 Meu corpo, soterrado pelas emoções, não correspondia nem ao meu desejo de beber água durante a viagem. Às vezes tinha a impressão de que eu poderia apodrecer ali mesmo no estofado. Os dois livros, os quais eu trouxe para me distrair, pesavam como pedras no meu colo. O sol amadureceu e despencou como fruta do céu, no horizonte diante dos meus olhos.   

8 comentários:

  1. Nossa, pra variar, as lágrimas brotaram nos meus olhos lendo um post teu.

    Quem sabe o que essa estrada pela viagem chamada vida não nos reserva?
    ...

    ResponderExcluir
  2. O que parece ser o fim poder ser um novo começo, não fica triste, coisas boas podem vir, nunca se sabe o que podemos esperar, afinal a vida nos surpreende tanto!

    Bju se cuida
    ;**

    ResponderExcluir
  3. Ei linda. Estava 'andando' pelo seu blog, e gostei do seu jeito de escrever... De descrever seu dia. Vou seguir você. Sou nova no blog. Se der passa no meu também, para que possamos nos ajudar.
    Beijos, e força sempre!

    ResponderExcluir
  4. Vihh, tudo vai ficar bem, sempre fica.
    A vida precisa continuar, não é?!
    Adorei o novo estilo do blog...
    Beijinho

    ResponderExcluir
  5. NOSSA!!!!!
    MUITO LINDO O POST E ME FEZ CHORAR É PENSAR MUITO
    SOBRE A NOVA FASE DA MINHA VIDA!!!
    DESCULPA A INVASÃO
    TO TE SEGUINDO BEIJOS FLOR
    FORÇA SEMPRE!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Tenho que te agradecer sempre pelas palavras.
    Obrigada.

    ResponderExcluir
  7. putz, que triste. e costumo dizer que os textos tristes são meu preferidos. assumo esse meu lado fossa. rs

    muito forte.

    beijoca

    ResponderExcluir