4 de março de 2013

O que eu gostaria de dizer...



        A folha permanece em branco por tempo demais na tela do PC. Quem escreve sabe como é difícil transpor as ideias, no meu caso os sentimentos, para fora. Fica tudo entalado aqui dentro, semelhante a um espirro que não acontece, a aquela ânsia de vomito que vai e volta dentro do seu estomago ou igual àquela coceira estranha na sua garganta. Só por hoje então, na tentativa de encobrir essas erosões no meu peito, vou deixar a Verônica H. falar por mim:   

Antes que você se vá

      Se sua partida é mesmo inevitável, se seu sonho é mesmo indispensável, se sua vida é mesmo impenetrável, vá logo de uma vez. Não permita que eu me apegue e faça planos, não me deixe crer no que não há verdade. Vá antes de borrar minha maquiagem, ferir minha coragem, antes que eu jogue meus instintos de sobrevivência definitivamente pela janela do prédio como se não me importassem mais sentimentos próprios. Não provoque meus medos, não confunda meu discernimento e não destrua meu equilíbrio. Apenas vá. Leve tudo o que é seu para que a lembrança não perfure meu sorriso cheio de lágrimas. Não me deixe criar um relacionamento individual onde eu sou todos os personagens e nenhum enquanto você é a plateia, única, que faz questão de não aplaudir minhas fragilidades teatrais. (...) Se minhas palavras embaralhadas confundem sua mente, nem peço lucidez. (...) Mas não ignore o que eu sou por não ter forças em me decifrar, não fuja antes de saber o que eu posso fazer pra te dar uma vida. Seu medo é de ser feliz? Então dividimos esse pavor doentio da alegria, podemos partilhar o pânico de sorrir até que a tristeza não faça mais sentido a dois.

           Se sua partida é mesmo inevitável, se seu sonho é mesmo indispensável, se sua vida é mesmo impenetrável, ao menos arrisque me carregar junto de você.

Texto de Heiss,Verônica. Novembro 07, de 2009. http://h-veronica.blogspot.com.br/search?updated-max=2010-01-03T02:54:00-02:00&max-results=10&start=20&by-date=false

6 comentários:

  1. Estar a postos para servidão, em prol de uma paixão, ou vicio disfarçado de virtude, faz com que nos arrastemos, coletando migalhas e restos, de nossos 'queridos',
    alegrias após dor, dor após alegrias.

    Artur César

    ResponderExcluir
  2. Não me ignore o que eu sou por n ter forças em me decifrar, como essa frase diz tudo o momento em que vivo e assim q me sinto tenho varios sentimentos e quem esta em minha volta n percebe, lindo post como sempre.Bjsss

    ResponderExcluir
  3. Seus textos sempre me levam a refletir momentos vividos no passado, sniff.

    Bjus

    ResponderExcluir
  4. As vezes é difícil deixar as palavras falar, ou tentar falar, o que sentimentos.
    Força. Força no dia seguinte! Força quando for possível ter-la.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Um coraçao partido leva tempo pra se deixar expor novamente. Mas geralmente ele se rende.

    Força e tudo de bom sempre!

    ResponderExcluir