22 de maio de 2013

No final do dia.



Você precisa de alguém de carne e osso para conversar no final do dia. Alguém que não esteja apenas online nas suas redes sociais, alguém com quem você pode demonstrar mais do que simpatia. O nosso repertório está repleto de diálogos vazios. Atravesso as horas do meu dia, atendendo a telefonemas de pessoas desconhecidas. Esse sistema nos robotiza. Escraviza. Estamos ocupados demais em nosso quadrado, em nossos prazos, em nossos trabalhos, como se o amanhã nos fosse uma garantia.  O carnaval poderia mesmo ser só uma vez ao ano, então seria permitido tirar as máscaras. Seria permitido não fingir estar feliz o tempo todo, pois isso já virou moda.

Aquelas brigas fazem falta. Lembro-me de ter inventado mil coisas para estar ausente. Para quase não ficar em casa. Entretanto, percebi que as intrigas também trazem um pouco de humanidade. Infelizmente não dá para voltar atrás e recuperar o prejuízo. Ninguém vai aprender a valorizar um humilde almoço em família, até que se sirva de banquetes na solidão. Hoje, não há mais conflito, mas também não há mais interação, interesse ou intrometimento. Hoje, chegamos ao nosso ponto de equilíbrio. Não. Chegamos ao nosso ponto de total afastamento.

Poucas pessoas querem formar uma família. Talvez a vida seja mesmo mais do que isso afinal. (?) Querem formar tantas coisas, se preocupam tanto em incrementarem seus próprios currículos prefiro acreditar haver exceções que, se esquecem de estabelecer laços. O futuro será sim mais intelectual – ainda bem – e mais solitário. Cheio de doutores dormindo em seus consultórios, por que não tem ninguém os esperando em casa. Pudera nossos pais viverem para sempre. Ainda somos crianças, brincando de crescer.  Não dá para culpar ninguém, não dá para inocentar ninguém, estamos juntos nisso. Admito: Estou desanimada com o mundo. 

6 comentários:

  1. Apesar de triste, tenho de admitir. Que saudades de te ler =')

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde!
    Não conhecia seu blog, mas me identifiquei bastante com seu post.

    ResponderExcluir
  3. "Ninguém vai aprender a valorizar um humilde almoço em família, até que se sirva de banquetes na solidão."

    Estamos desanimadas com o mundo.
    Mas eu acredito ser uma exceção, e quero uma família onde as pessoas jantem juntas, tenhas discussões sobre cinema, livros e bobagens quaisquer.
    Sim, quero.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. GOSTEI DO BLOG!



    SRAREDONDA.BLOGSPOT.COM

    ResponderExcluir
  5. Nossa, quanto tempo me faltou para voltar aqui... E agora que voltei e pude ler novamente suas peculiares palavras, eu me dei conta da falta que me fez poder me ler também por aqui.
    É bem verdade que o sistema anda tragando a alma das pessoas, mas não podemos desacreditar: enquanto houver um coração com vontade de viver coisas simples e sentir grandes emoções entre família, entre amigos e entre amores, haverá esperança de um mundo melhor!
    Tenha uma linda semana, flor
    =)

    ResponderExcluir
  6. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir