9 de julho de 2013

Enquanto ele se vai...


Não deixei que percebesse enquanto eu o estava observando. Tive a impressão de que se me visse, também não teria forças para dizer qualquer coisa. Em algum canto, ela o aguardava – pacientemente – pronto a arrancar-lhe o último sopro de vida. Sim, era assim que agia. Silenciosa, ela nunca perdia. Aquele homem, outrora tão forte, como nas fotos, agora padecia em tudo que fazia. A vitalidade parecia sair junto com o ar pelo seu nariz. Tentei ir até lá, puxar um assunto, perguntar como ele se sentia... Eu queria me importar. Mas, meus pés não me obedeciam.

A ponte que deixava as pessoas irem até ele, fazia tempo se quebrou. Não sobrou nenhum caminho, nenhum atalho, ninguém pode e talvez nem queira se aproximar de fato. Deve ser terrível assistir seu mundo acabar, sem a oportunidade de se desculpar, sem alguém lamentando a sua ida, sentindo a sua falta antes mesmo disso se concretizar, deve ser triste chegar ao fim sozinho. Depois de cinquenta e dois anos de casado e apesar da carranca da minha avó e, a sua insistência em afirmar que ele não passa de um fardo, posso perceber que ela poderia o ter amado se o tivesse perdoado. 

9 comentários:

  1. O que houve?

    Esse texto tem tudo a ver com o momento que estou vivendo... =/

    ResponderExcluir
  2. Que texto intenso... E muito bonito também! Fez-me refletier por alguns minutos inclusive.
    Sobre seu comentário, só tenho a dizer que o medo de ficar só habita em quase todos os corações, embora alguns disfarcem melhor. Mas, depois aprendemos que é tolice: somente nos pertencendo é que podemos nos doar também.
    Tenha uma ótima semana, flor
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Seus textos sempre me roubam as palavras.. Sempre venho aqui buscando mais e mais, e raramente consigo dizer algo e quando digo, não é o bastante pra explicar tudo o que se passa na minha cabeça ao ler... Você escreve sua vida nas entrelinhas, mas de forma que só você entende e nós leitores apenas fazemos suposições...
    Mas enfim, você tem um jeito de escrever que me encanta de formas inexplicáveis. E o que quer que você esteja passando, espero que melhore de alguma forma..

    <3

    ResponderExcluir
  4. É tão difícil perdoarq uando o Ego é ferido.
    :(

    ResponderExcluir
  5. Amada Fada, tantos anos depois de te conhecer, tanto tempo sem te ler e eu continuo apaixonada pela tua escrita... Que saudade!!!! <3

    ResponderExcluir
  6. "Não sobrou nenhum caminho, nenhum atalho, ninguém pode e talvez nem queira se aproximar de fato. Deve ser terrível assistir seu mundo acabar, sem a oportunidade de se desculpar, sem alguém lamentando a sua ida, sentindo a sua falta antes mesmo disso se concretizar, deve ser triste chegar ao fim sozinho".
    É, Fada, deve ser realmente triste. Mas as pessoas colhem aquilo que plantam. Não sei se seu avô era de "todo mau" e nem sei se ele realmente merece partir dessa forma, mas tem gente que não se esforça o suficiente pelo perdão e nem busca por condutas melhores ao longo da vida. E esses, provavelmente, terminarão moribundos e sós. Talvez por isso ela não tenha conseguido perdoá-lo. Talvez o arrependimento não tenha ocorrido realmente.
    Mas enfim, quem sou eu para conjecturar acerca de situações que não conheço? espero que a situação melhore para ele, porque, apesar dos erros, talvez todos nós sejamos dignos de uma segunda chance.
    Ah, além disso, concordo plenamente com o que a menina falou. Também me sinto encantada com sua forma de escrever.
    Fique com Deus, querida.

    ResponderExcluir
  7. É realmente muito triste quando nos sentimos assim... tristes. Mas, a tristeza, apesar de ser um sentimento, é sempre antes, uma escolha. Pense nisso... escolha se sentir bem. Sei que não é fácil... quem sou eu pra dizer? Mas, é a escolha que estou procurando fazer e pelo menos está me ajudando. Um grande abraço! Lindo blog.

    ResponderExcluir
  8. Sabe... Por motivos que nem eu sei explicar, tenho andado muito pouco por aí. Mas hoje, revendo meus rascunhos, encontrei um trecho de um texto que eu tinha salvo e nem me lembrava mais... E, ao gugá-lo, cheguei de novo aqui e vi inclusive o meu comentário à e´poca. Um pouco pretensioso da minha parte, pois quem somos nós para aconselharmos alguém, mas o que sobra é que hoje, como naquele dia, este trecho me pega da mesma forma... Lindo e forte!

    "Ele está certo. Nunca antes, todos estiveram tão certos sobre mim. Sou a vilã da minha própria história. Chorando no ônibus, apenas por acreditar que ao descer, a dor não me acompanhe e siga seu percurso sem mim."

    Beijos e_ternos

    ResponderExcluir