2 de dezembro de 2013

As circunstâncias e as coisas

"Agora sei a diferença entre tristeza e depressão. A depressão clínica não tem uma origem - simplesmente existe. A tristeza intratável não tem nada a ver com sinapses, química cerebral ou nutrientes essenciais; ela é fruto de algo. É o produto da injustiça e da impotência. Pode ser anestesiada, suponho, mas depois que o efeito da medicação passa, fica ali, inalterada, como um intruso que invadiu nossa casa e continua nela, manhã após manhã, ao acordarmos. Se pudesse escolher, eu preferiria estar deprimido. Da depressão já voltei." (Ka Hancock, Dançando sobre cacos de vidro, p. 229)
 ____________________________________________________________________


Dezembro começou um pouco vazio. Por que o amor sempre é mais artificial e obrigatório nesse período? Não sei, mas, nós estamos tristes por dentro, ouvindo de longe a nossa própria risada, cantando cantigas natalinas, colocando um tanto de brilho por fora para disfarçar a nossa escuridão. 

Eu e você. Quebramos em mil pedaços dessa vez. Então fiquei vasculhando em todos os seus olhares algum  indicio que me fizesse acreditar que você ainda não havia ido ou que eu estava ali. Se toda vez que uma montanha desmorona, rolam algumas pedras antes, eu ignorei o aviso. Viramos coadjuvantes em nosso próprio romance, por isso o meu desespero, isso não faz parte de um roteiro exclusivo, já vi esse filme antes... E o seu desfecho não é bonito. Gostaria de colocar o nosso amor novamente em um lugar seguro. Mas, os nossos sentimentos se perderam num abismo de frustrações.

Desconfio que tenha sido o Novembro, quem roubou você. Afasto a ideia de que o nosso amor esteja gasto ou, que tenha vencido o seu prazo. O final feliz que eu havia escrito, antes mesmo de te conhecer, não inclua nos transformar lentamente em estranhos e, não é agora e nem dessa forma o fim. Prefiro acreditar que ainda estamos longe disso. Entretanto, talvez eu devesse seguir seu exemplo, centrar em outras coisas e tentar nos deixar para depois. Um dia a gente resolve. Outra hora conversamos. Um dia nos amamos. Quem sabe não topamos por ai quando houver tempo, quando couber nos nossos planos, quando restar tempo para ser feliz.  

5 comentários:

  1. Olá Sarah, como vai querida?
    Estou aqui pois vi que estava/está seguindo meu blog/bazar Mariiaboniita. Então resolvi conhecer teu espaço tb. Lindíssimo por sinal. Muito legal aqui. Parabéns. Estarei acompanhando. Abraço, Luana

    http://etceteralu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Novembro também me roubou alguém... No ano passado já.
    =/

    ResponderExcluir
  3. E dezembro vai chegando ao fim. E o começo de um novo ano traga tudo que esse dezembro não trouxe. E se isso não acontecer, que pelo menos seu coração se encha de luz e esperança...

    ResponderExcluir
  4. Dezembro realmente é o mês das hipocrisia... mas eu sobrevivi espero que vc também o tenha!
    Saudades de ti!
    Espero que esteja bem linda!
    Abraços, Lia*

    ResponderExcluir