5 de novembro de 2014

Sobre ser e perder


Eu sinto falta, mas não sei do quê. 
Às vezes, eu acho que deveria ter me tornado uma pessoa totalmente diferente de agora. Para os outros eu sei que pareço forte, mas ninguém sabe o tamanho da fraqueza escondida bem aqui no meu peito. Gostaria que as coisas fossem diferentes, acontece com todo mundo, eu sei. Há quanto tempo estou assim? Oscilando entre a pessoa que eu sou e aquela, na qual ficaria imensamente feliz em ser... 

Precisa acontecer alguma coisa para me movimentar. Ouço me dizerem: vai mesmo assim, bota a cara a tapa, enfrenta... Eu não quero, eu tenho medo, ponto. Prefiro ficar quietinha onde estou, onde eu já conheço, pisar em território desconhecido não é uma das minhas habilidades e nem preferências. O problema é a imagem vendida, me sinto uma grande mentira, uma propaganda enganosa, as pessoas chegam acreditar em mim, no perfil que eu aparento ter nas entrevistas, por exemplo. 

Semana passada, recusei outra oferta - quantas foram mesmo neste ano? E aquele desejo de mudar de emprego, realmente existiu ou, foi somente por ver outras pessoas se dando bem nos novos cargos delas? No momento de se decidir eu travo e, me deixo assim. Flutuando entre o querer e o poder. 


Mudando de assunto. Semana passada fui à uma nutricionista. Quem me segue desde o inicio, sabe que o real motivo deste blog era o de expor minhas metas de emagrecimento, contar com o apoio de outras blogueiras, enfim, esse emaranhado de coisas presentes no dia a dia de muitas meninas por ai que buscam perder peso (diga-se desesperadamente e sem medir as consequências). Eu já sabia que as notícias não seriam boas, mas foi bom levar um choque de realidade (meu professor disse certa vez: a pessoa precisa se reconhecer, neste caso gorda ou magra - tem gente que negligencia isso, para então começar a emagrecer). 

A nutricionista, me pesou e blá bá blá, aquele trauma todo, e por fim me falou que por cem gramas eu não estou no sobrepeso, ótimo, a partir de então, não sei se fiquei mais ansiosa pela necessidade palpável de emagrecer ou só ansiosa mesmo. São três quilos, tudo o que eu queria antes de viajar, mas parece tão difícil, guloseimas surgem sem que eu precise comprar, festas, convites... Amanhã eu tenho de buscar o programa alimentar, estou torcendo que caiba na minha realidade de estudante universitária (sem condições de comer amêndoas todos os dias). Vamos ver, espero que dê certo, para quem já fez tanta coisa em prol de uns quilos a menos, nada mais é novidade.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário