27 de fevereiro de 2015

Livre


"Foi essa coisa que havia crescido em mim que eu lembrei anos depois, quando minha vida ficou à deriva pelo sofrimento. O que me levaria a acreditar que fazer a caminhada na Pacific Crest Trail era o meu caminho de volta para a pessoa que eu costumava ser." (Livre - Cheryl Strayed)



Ouvi-la dizer que, as escolhas não são para sempre me deu um alívio tão grande. Foi como se de repente eu descobrisse qual era graça daquela piada muito tempo depois. Alguém finalmente abriu uma janela e eu pude respirar um ar puro vindo de fora, senti uma sensação tão boa de liberdade percorrendo todo o meu corpo, não queria que acabasse nunca. Este é o tipo de coisa na qual você se pergunta: por que não pensei isso antes? A venda caiu dos meus olhos e eu pude perceber, espantada, como fixamos ideias e nos tornamos reféns delas.

É aquela coisa, se não der certo não será o fim. Ou, então, você não é obrigado a permanecer numa determinada situação até o fim, apenas por que acha feio desistir ou, então por já ter ido longe demais e, até por causa de outras pessoas.  A professora foi dizendo isso durante a aula de ontem, explicando como a maioria das patologias, digo depressões, tendências suicidas entre outras, nascem dessas opiniões cristalizadas formadas ao longo de toda nossa vida. Ela afirmou também que, para uma escolha ser bem sucedida e não trazer sofrimento, o importante é levar em consideração qual é a maior prioridade agora.

Pensando nisso, há alguns meses atrás eu estava bastante deprimida por não ganhar um salário melhor e estar numa empresa que oferecesse benefícios e valorizasse seus funcionários (Fique claro que eu ainda almejo isso). Mas, essa ideia não nasceu de uma necessidade interior, mas sim do fato das pessoas próximas de mim se gabarem dos seus empregos, me fazendo pensar que eu precisava também me equiparar a elas. Tinha medo que os outros pudessem pensar que eu sou acomodada ou coisa pior. Quando na verdade o que eu realmente preciso agora é estudar e meu atual emprego permite isso.


Você precisa ter um automóvel. Nessa idade já deveria ter tirado a carteira. Você está ficando velha para casar. Está na hora de morar sozinha. Quem não sofreu qualquer uma das pressões acima? Ninguém precisa mais me dizer nenhuma dessas coisas, aquela vozinha que mora em algum canto da minha cabeça cuida muito bem disso. E não é tão simples deixar de ouvir o que ela fixou, mas não é impossível.  

11 comentários:

  1. Eu te entendo sabe, não que seja exatamente assim, mas começo de faculdade nota ruim no enem. Começo de faculdade particular, ai fica aquela: se você tivesse estudado mais... Se isso... Se aquilo. Como se eu mesma não soubesse. É difícil mesmo mulher, mas é possível sim que tudo dê certo.

    Inquietudes Secretas

    ResponderExcluir
  2. Sei bem como é isso. As vezes cobram muito de nós e a gente sabe quando é o nosso melhor tempo para tomar uma iniciativa. Bjus!

    galerafashion.com

    ResponderExcluir
  3. Coincidência acabei de ler uma matéria sobre o wild.
    Eu tenho por ídolos pessoas de "personalidade forte", que fizeram coisas que outros não fariam, diferente do esperado p época etc etc.. Meu tipo favorito de livro/filme é com personagens assim, de preferência beirando ou passando à loucura. :P
    Acabei aprendendo com isso que não, não tem que fazer nada pq os outros querem q vc faça..

    ResponderExcluir
  4. Seu post me caiu como uma luva.
    A maioria dos problemas que criei pra mim mesma nos últimos tempos, foi por criar idéias na minha cabeça como se fosse m único caminho possível a seguir. Eu também tenho umas revelações desse tipo, que mesmo que sejam bobas, mudam a nossa forma de pensar - e elas são ótimas, ainda mais pelo alivio que dá. :) É sempre bom traçar nosso caminho e nossas escolhas, lembrando do que é importante pra gente e não pros outros. É sempre dificil, é um trabalho diário (que tento todos os dias, falho em alguns, mas sigo tentando, rs). Beijos.

    ResponderExcluir
  5. lindo texto... temos que fazer nossas proprias escolhas

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  6. Eita. Como você fala coisas sobre mim sempre que escreve? rs
    Bem, tem coisas que estão tão arraigadas, né? Mas é bom saber que podemos mudar mesmo a mais profunda dessas raízes.
    Vamos tentando!

    Ah.. que bom que gostou dos meus cachinhos! *o*
    cheiro

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante esse texto! =)

    NEW POST on http://whattostyle.blogspot.com/

    xoxo,
    Jessica

    ResponderExcluir
  8. a grama do vizinho sempre parece mais verde, né?

    priorizar o que A GENTE quer, taí uma coisa difícil de fazer. com o tempo você vai aprendendo que a única pessoa que deveria poder opinar na sua própria vida é... você. ninguém TEM QUE fazer nada - ter um carro, ganhar milhões, casar, ter filhos -, a gente se sente na obrigação de fazer essas coisas. quando conseguimos nos libertar disso e ver com calma, quase que de fora, tudo isso - eu preciso de um carro? pra quê? casar? tá maluca! - a gente vive bem mais em paz com a gente mesma, viu?

    muito legal o texto e o blog, gostei bastante!

    isa - http://eagoraisadora.com

    ResponderExcluir
  9. Engraçado eu achar o seu texto, estou fazendo um trabalho de sociologia que aborda o mesmo assunto, haha.

    Muito bem escrito e com lindos valores. :)

    Twee

    ResponderExcluir
  10. Você escreve MUITO bem, To adorando ler suas crônicas. Mais uma salva como favorita. Beijão !

    ResponderExcluir