16 de março de 2015

Resenha: Para sempre Alice, de Lisa Genova.



Ler este livro me fez lembrar de meu avô. Ele foi enterrado sob uma forte chuva de outubro, no ano de 2013. Foi a primeira vez em que a morte chegou bem perto e eu pude sentir o seu modo de agir, silencioso e devastador. Eu me sentia mal por não ter derrubado uma única lágrima e por estar aliviada - antes que me julguem, o motivo de ter associado este livro ao meu avô, foi porquê ele tinha alzheimer. Se alguém já teve um parente ou conhecido nesta situação sabe do que estou falando, é muito sofrimento. E para quem não conhece do que se trata indico esta leitura.

A ignorância nos faz insensíveis, gostaria de ter lido Para sempre Alice enquanto meu avô estava vivo. A autora, Lisa Genova foi muito feliz na escolha do tema, no entanto confesso ter ficado receosa quanto ao fato dela ser neurocientista, esperei por jargões científicos, linguagens complicadas e expressões difíceis. Me imaginei lendo com um dicionário do lado ou consultando várias vezes o Google. Mas, fui surpreendida pela simplicidade da escrita, na qual qualquer leigo no assunto consegue compreender. Às vezes, o texto parecia mais uma conversa entre o leitor e um médico, um verdadeiro tira-dúvidas. 

Na trama, conhecemos Alice Howland, professora de psicologia cognitiva da universidade de Havard, com então 50 anos, casada com o cientista John e mãe de três filhos. Tudo ia muito bem, obrigada, com muitas conferências, viagens e aulas para ministrar (Alice é o tipo de mulher que eu sonho em ser quando 'crescer'), quando se vê diante do diagnóstico de azheimer de instalação precoce. A partir de então, todo o prestigio e reconhecimento fruto de anos de trabalho, assim como suas relações com a família e amigos começa a declinar. 

Durante a leitura experimentei diversos sentimentos, mas o de perda sobressaiu os demais, pois, a progressão da doença - ainda sem cura, trouxe a tona diversos conflitos, tais como lidar com a perda de autonomia e conciliar as demais tarefas com o cuidado que o alzheimer exige. A autora se esforça em transmitir emoção em alguns trechos, mas tropeça na objetividade o que torna o texto um pouco corrido e com lacunas a preencher, certas partes poderiam ter sido melhores trabalhadas e isso decepcionará um pouco os apreciadores de um bom drama. 

Contudo, devo afirmar que, isso em nada faz desmerecer o livro e a leitura compensa por chamar atenção para um assunto tão delicado e desconhecido para muitos. Para sempre Alice para mim é indispensável, já que a doença não escolhe quem atacar.


16 comentários:

  1. Esses dias vi esse título em um filme, agora associei as coisas. Acho um assunto bem sensível de ser tocado e me deixaria bem abalada, mas pretendo ler o livro ou mesmo ver o filme.

    Blog Casa Cafeina | DIY e Decoração

    ResponderExcluir
  2. Super bacana o post. Eu ainda não li e nem vi o filme mas estou bem curiosa. Tb já senti de perto a dor da doença, tive uma tia que faleceu..é bem difícil.

    bjs Má
    www.2betrend.com.br

    ResponderExcluir
  3. Muito intenso, mesmo. Nunca conheci alguém com a doença, mas já ouvi as experiências de convivência e cuidados de algumas pessoas. Procurarei ler em breve, mas não sei se estou pronta para esse livro agora. Bom, quando estamos prontos afinal?! Obrigada pela indicação.

    ResponderExcluir
  4. Alzheimer é realmente muito triste, acho que é uma das doenças que mais temo. Achei o livro bastante interessante pelo o que pude ver através da sua resenha.

    ResponderExcluir
  5. Sinceramente, não sei se seria um pouco insensível eu dar esse livro para minha mãe, como presente de aniversário? O pai dela tem alzheimer muito avanaçdo já, está acamado, não come, não fala, não se mexe... mas amamos muito muito ele e cuidamos com tudo que tenho. O que voce acha? Um beijo!

    Eu.Nomadiando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixa eu te falar, sem querer dar spoilers ou coisas do tipo, mas o livro trata de forma bem delicada mesmo o assunto, acho que seria muito bom dar a ela, tem uma página no face chamada "minha mãe tem Alzheimer" que é uma ótima ideia também. Seria bom para os dois, querida. Depois que você descobre como poderia ter sido diferente se soubesse como tratar...
      beijos

      Excluir
  6. Adorei a resenha, parece um livro muito bom, simples e fácil de se lido, ainda ensina um pouco sobre uma doença que, pelo menos eu, não sei como age e o que trás a vida das pessoas. Eu já li um livro sobre TOC e foi muito aprender sobre, por isso, gostei bastante da sua indicação! Parabéns pela resenha!!!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Uma boa indicação de livro. Ele tem um tema que não é muito comum, mas que nos traz muita informação sobre a doença. Gostei da sua resenha. Bjus!

    ResponderExcluir
  8. To apaixonada pelo seu blog, ele é lindo! Amei seu resenha, lagrimei com o primeiro parágrafo. :'(
    Assisti o filme e senti isso também, senti que finalmente começava a compreender essa doença tão devastadora. To super afim de ler o livro e você me fez ficar mais curiosa.
    beijos.
    http://lugaaraosol.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Não li o livro Sarah, mas gostei muito do filme. A história é tão real e tão cruel ao mesmo tempo. Uma história necessária mesmo, acho que todo mundo deveria conhecer. Adorei sua resenha!

    http://naomemandeflores.com

    ResponderExcluir
  10. Eu já tinha "passado o olho" nesse livro nas lojas online, mas não fazia ideia que se tratava disso! E um tema muito delicado né, a mãe de uma amiga minha tem e eu sei que no geral, as pessoas próximas sofrem muito com o decorrer de tudo, vou add na minha lista de leitura do skoob.

    www.cultmidia.com

    ResponderExcluir
  11. Olá, bem bacana a resenha que você fez. E a primeira vez que a morte chegou perto também foi com o meu avô, só que em 2003. A história deve ser bem emocionante.
    Um beijo

    Suellen Esposte Blog | Facebook | Youtube | Instagram

    ResponderExcluir
  12. Primeira vez por aqui. Gostei desse clima de "anonimato" do blog.
    É um tema delicado mas imagino ser uma boa leitura, até porque como você citou, a doença não escolhe quem atacar, então qualquer informação é válida tanto para sabermos lidar com ela, como acolher quem a tem.


    blog | facebook | instagram

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pam. Então, prefiro que seja assim, pois conto minha vida aqui e não quero expor ninguém. Beijos

      Excluir
  13. Realmente a doença não escolhe a quem atacar e por isso acho que essa leitura é boa pra todas as pessoas, para sentirmos um pouco a doença na "pele" e ficarmos informados, vai entrar pra minha lista de leitura, beijos. <3 http://papo-da-viana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir