1 de julho de 2015

Queda livre



Graveyard Sky


"Minha mãe sempre abandona a gente". 
Eu nunca tinha visto por esse ângulo. Sempre preferi a versão dela saindo de casa - com aquela mala, única mala de ombro a carregar tudo o que sobrou de dezesseis anos de casamento, deixando para trás duas filhas e um homem que a enganou por tantos anos, em busca de uma vida melhor para então nos buscar. Nunca aconteceu. Nunca pôde acontecer. Talvez no fundo nunca quiséssemos, sempre havia um empecilho, uma desculpa, para somente hoje eu entender que sempre me senti abandonada de certa forma, apenas não quis assumir.

No próximo mês faz onze anos que não moro mais com a minha mãe. O-n-z-e. Não lembro de como era morar com ela, não sei como vai ser. Parece que chega um momento, no qual a vida começa a te cuspir para fora da sua família, como quem diz: Vá e construa a sua história.  As coisas passaram de ruim para intragáveis na casa da minha avó. Não dá mais para ficar lá. E eu bem já tinha me conformado em ficar até terminar a faculdade. Enfim, não posso dar detalhes, mas adianto que muitas pessoas não estão verdadeiramente interessadas em ajudar por ajudar... 

A insegurança deságua em mim feito um rio sem rumo e furioso. Sinto como se eu estivesse caindo num abismo desconhecido. De uma hora para a outra as coisas saíram do lugar.  

11 comentários:

  1. Sinto muito Sarah....
    Não sei qual é sei sentimento, pois sempre morei como meus pais, até casar.... e a morte da minha mãe é tão dolorida para mim até hoje....
    Mas deve ser um sentimento muito ruim.
    Suas palavras são carregadas de dor e muito sofrimento. Eu lamento do fundo do coração.
    Sei que não posso fazer mais do que isto, em dizer: Boa sorte! E que Deus te ajude nesta nova etapa!

    Lia*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lia. Tudo o que estou precisando é mesmo de sorte e da ajuda de Deus, não está sendo fácil. beijos

      Excluir
  2. Sair do lugar é necessário para poder crescer. O mundo nunca está parado, então porque paramos?! Que a dor q pulsa nas linhas se aquiete.

    Beijo meu,
    Mafê

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Fernanda, se movimentar faz parte da vida. Obrigada.

      Excluir
  3. Situações de intensidades singulares, momentos únicos criados por fatos individuais e triviais. Ao menos se poder tentar aprender, lutar, compreender, só não se pode parar.

    Que tudo se transforme no final.
    Passe bem,
    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, espero que tudo fique bem sim!
      Grata por suas palavras, tenho certeza que é um imenso aprendizado.

      Excluir
  4. Ainda bem que voce tem uma irma, acho que o sentimento de abandono seria bem pior! Mas ja foi, voce cresceu, amadureceu, sobreviveu, e está em condicoes de arranjar sua vida, seguir sua historia. Apressadamente ou nao, as vezes nao controlamos as circunstancias(nunca controlamos alias rs), voce vai ficar bem.

    ResponderExcluir
  5. Me sinto assim em relação ao meu pai, nunca estivemos perto, nem imagino como ele é.
    Mas nada tem muita explicação nessa vida certo? Temos que seguir em frente sempre, mudanças as vezes podem ser boas.
    Mas vezes uma coisa ruim acontece por que tem uma melhor nos esperando...

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como espero que esteja certa!
      grande beijo

      Excluir