7 de janeiro de 2017

Crônica: Último Capítulo



E essas somos nós, horas antes dele chegar. De um canto - pois, a cozinha é a sala e meio que um quarto também, minha mãe mexe algo dentro de uma panela e grita para que as meninas parem de brigar por baboseiras. Não dá para acreditar que instantes antes estavam em harmonia. Falando nisso, tudo precisa estar na mais perfeita ordem. O que eu não entendo. Em ordem para ficar em desordem, vai saber. 

Mas, ela fala para eu ficar na minha, que não passo de uma adolescente ainda cheirando a leite. Portanto, tento me distrair lendo a revista. Uma dessas com baboseiras juvenis que a filha da patroa da minha mãe não quis mais. Muita gentileza. Eu teria dito o mesmo, quando eles se conheceram. Ele trouxe presentes para as meninas, ganhando imediatamente admiração e confiança. Crianças são crianças. O que as difere de filhotinhos de cães famintos por biscoitos? 

Minha mãe odeia essas comparações. Mas, amou espalhar para as amigas da façanha de finalmente estar com alguém decente. Seu filho mais velho (foi tentar uma vida boa na cidade grande), nem quis conhecê-lo. Não faria diferença, ele disse. Ela o xingou e não aceitou mais suas ligações. Se o novo amor dela tentou me agradar? Lógico. Não me rendo por tão pouco. 

Comida na mesa. Comemos primeiro. Ele não gosta de interferências. De ninguém no seu caminho. "Nenhum pio", repete ela. Então ele chega. E é como se estivéssemos presa no ultimo capitulo de uma novela mexicana. Ele tem problemas com a bebida, sempre justifica ela, enquanto coloco gelo no roxo em volta do seu olho. 

"Tem certeza?" Questiona. Ela, vizinha e amiga de infância, observa a lâmina ir e voltar no chão. Tento esfregar os dois lados. Devem estar bem afiados. Tenho certeza, respondo. Posso senti-la, em meio as páginas da revista. Então ele começa seu discurso ensaiado. Normalmente sobre a comida não estar isso ou aquilo. Minha mãe murcha no canto, a espera do murro. Eu me levanto. Ele esta de costas. Nossos olhares, meu e de minha mãe se cruzam. Ela está com medo. Eu não. O desespero não te faz pensar nas consequências.

Foi um furo ou dois. Muito sangue, na minha mão e chão. Alguém aperta o play novamente do mundo, eu só ouvia as batidas do meu coração, minha respiração ofegante. Então, tudo voltou de repente, como uma máquina de lavar centrifugando o mais rápido possível. Ele saiu correndo pela porta. Ela ficou caída aos meu pés. Os olhos estáticos, refletindo medo para sempre. 























**ATENÇÃO: As crônicas postadas neste blog são de cunho ficcional, não tendo qualquer relação com a vida pessoal da autora. Qualquer semelhança é mera coincidência.

32 comentários:

  1. Poucos parágrafos, uma mega reviravolta e você já me conquistou como leitora!
    Adorei o modo como escreve e consegue passar os sentimentos de cada personagem.
    xoxo

    ResponderExcluir
  2. Que texto maravilhoso já ganhou uma leitora , primeira vez que vejo uma crônica ser tão bem falada . Tem sentimento tem emoção um máximo .

    ResponderExcluir
  3. O.O... minha nossa! Me prendeu sem eu nem perceber. Gostei muito da sua forma de escrita.

    Até mais!
    karolini barbara

    ResponderExcluir
  4. Olá, Sarah!
    Que texto maravilhoso! ♥ Essa é a minha primeira visita em seu blog e confesso que já estou apaixonada pela sua escrita. Essa crônica me prendeu do começo ao fim, você coloca muita emoção em cada parágrafo.
    Não poderia deixar de dizer que estou encantada por tudo aqui!
    Beijos :*

    http://midnight-skies.com

    ResponderExcluir
  5. Muito bom o texto, intenso e cheio de emoção.. Você escreve muito bem. Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, adorei, muito bom e bem escrito. Sou a louca da leitura, e você me conquistou com esse texto. Ganhou uma leitora. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Talento é algo que com certeza você tem de sobra e depois de ler, eu demorei alguns minutos para digerir e realmente entender o que você escreveu, certamente estou apaixonada por tudo que li.

    Art of life and books

    ResponderExcluir
  8. Que texto maravilhoso! Adoro pessoas que conseguem escrever bem e conquistar com palavras, assim como vc faz. Beijos e sucesso

    ResponderExcluir
  9. Nossa que incrível, normalmente gênero assim não gostou, mas olha ta de parabéns ! Adoreiiiii, me prendeu e o final me deixou de boca aberta !!

    ResponderExcluir
  10. MEU DEUS. VOCÊ JÁ PENSOU EM ESCREVER UM LIVRO? Eu certamente compraria ��
    Eu realmente gostei da história! Com certeza estará nos links recomendados do mês no meu blog
    Cheiro de Pipoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. <3 Obrigada sua linda! Já pensei sim, mas tenho muito bloqueio criativo. hahaha

      Excluir
  11. Eu comecei achando que ia ser um texto simples, mas me surpreendi! Fiquei querendo ler até o final (mesmo sendo curto), e simplesmente amei, que reviravolta!
    Você escreve maravilhosamente, parabéns ❤❤

    ResponderExcluir
  12. Sua escrita é maravilhosa. Soube detalhar muito bem cada detalhes e sentimentos envolvendo a história. Crônicas são um gênero que venho tentando aprimorar a escrita. Parabéns <3

    De cara com a Juh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Juh! Sinta-se a vontade para voltar. Beijos

      Excluir
  13. Meu deus, adorei. Cada paragrafo me fazia mudar de ideia sobre a história! Muito bem escrito! Ganhou uma leitora!

    ResponderExcluir
  14. QUÊ. Me prendeu tanto que acabou e eu fiquei procurando mais. Gente, cadê continuação? Parabéns pelo texto, muito bem escrito!

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Que texto incrível. Adorei a personagem feminina tão forte. Adorei muito, muito! Seu jeito de escrever é incrível, quero voltar a ler aqui varias vezes. Uma coisa: esse não é mesmo o último capítulo, é? Pre-ci-so saber como a mãe vai seguir na vida. Escreve mais, vai! :D

    ResponderExcluir
  17. UAU, que texto sensacional, estou atônita! A escrita é completamente fluída e detalhada, amei isso. Os personagens são crus e reais, o que faz com que a gente se envolva na trama e queira continuar lendo. Sério, mulher, não pare de escrever! <3 Parabéns!

    Beijos,
    Attraversiamo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que tenha gostado. Muito obrigada! <3

      Excluir
  18. Que texto <3
    Por causa desse tipo de texto envolvente que uma das metas pro ano é voltar a ler com frequência. A gente viaja muito numa boa história né? Que incrivel!

    ResponderExcluir
  19. QUe incrível! Você escreve bem dms, já vou seguir para acompanhar os próximos! Beijos

    ResponderExcluir
  20. Adorei o modo como escreve! Você consegue segurar a atenção do começo ao fim do post. Parabéns

    Bjs
    Tissi
    www.tissianebalbino.com

    ResponderExcluir
  21. Olá!!

    Que texto legal! Conseguiu me prender do inicio ao fim, gostei. Você escreve muito bem consegue passar as coisas de forma simples e que acaba mexendo com o leitor, parabéns.


    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Moça eu prendi a respiração nesse final! Que intenso, que forte. O seu talento é gritante, estou encantadíssima! Parabéns.

    ResponderExcluir
  23. Adorei a forma que escreve, você conta cada detalhe da história e isso e incrível!!

    ResponderExcluir
  24. Fiquei imaginando a cena na minha cabeça, foi uma história incrivel! Não para de escrever não, você tem talento.

    http://quistecontarblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  25. Caramba que poder com as palavras e que intensidade! Você tem muito talento, foi um texto que realmente me prendeu e infelizmente violencia doméstica é algo real e pode existir aonde menos esperamos. Por isso é bom sempre ficarmos atentos, caso suspeite de algo não podemos nos calar. Continue escrevendo ♥
    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Uauuuuuu...confesso que não esperava tudo isso em tão poucas palavras. Uma façanha conseguir ambientar o leitor e transportá-lo para o estado de espirito conturbado da protagonista. Ela facilmente poderia alegar estresse pós traumático.

    Beijos!
    Gatita&Cia.

    ResponderExcluir
  27. Sua maneira de escrever é bem interessante ate o começo mesmo do conto deu para passar como se percorresse o ambiente, se perde um pouco no decorrer. Super beijo

    ResponderExcluir